Carlos César e Cristiano

Os cowboys andarilhos

Veja mais fotos e vídeo abaixo


  Tudo começou numa reunião de amigos, com Cristiano fazendo a primeira voz, e a segunda voz, a cargo de Carlos César e, em dado momento, espontaneamente, eles inverteram os papéis, dentro da mesma música, sem interrupção! Um "entendimento perfeito", sem combinação prévia, intuitivo, por assim dizer! Tal entrosamento animou Carlos César e Cristiano a formarem a dupla! 
 Ambos já lutavam bastante por uma carreira artística: Carlos César como Cantor, Compositor, Letrista, Instrumentista e Produtor, com brilhantes participações em festivais diversos, tanto na MPB como também na Música Sertaneja. Carlos César conseguia compor com incrível facilidade, chegando inclusive a musicar os versos ao mesmo tempo em que lia a letra da música. 
 Juntamente com José Fortuna, Carlos César compôs mais de uma centena de belíssimas páginas, gravadas por diversos e excelentes intérpretes. A consagração de Carlos César como compositor e parceiro de José Fortuna aconteceu por ocasião do II Festival Record (em 1979, apresentado por Geraldo Meirelles), no qual os dois compositores conquistaram três primeiros lugares, com todos os méritos!
 Dois anos depois, em 1981, Carlos César e José Fortuna voltaram a conquistar o primeiro lugar no mesmo Festival com a composição "O Vai e Vem do Carreiro" que foi gravada  também por Carlos César e Cristiano. 
 O jovem Cristiano, por outro lado, com sua voz excepcional e vibrante, além de bastante sensibilidade, também desenvolveu de forma brilhante a arte da oratória. E, segundo alguns apreciadores, parecia que ele se transportava para outras esferas quando cantava!
 Desiludido, após tantas diferentes tentativas, já quase desistindo de tudo, Cristiano acabou "tendo a intuição" de procurar por Carlos César, que já vinha se tornando famoso por suas já bastante requisitadas composições, inclusive em parceria com José Fortuna, que, por sinal, também foi um grande incentivador e "padrinho" da nova dupla que se formava, após ter testemunhado o maravilhoso entrosamento musical de ambos! 
 Ambos de origem urbana, utilizavam a voz ao natural, sem forçar sotaques nem dialetos (achavam desnecessário os "nóis vai, nóis vem", tão descabidos na música sertaneja já no início da década de 1980). Em diversas interpretações podemos também ouvir um belíssimo "vibratto" a cargo do Cristiano, em sua belíssima voz, perfeitamente harmonizada com a voz do Carlos César! 
 A dupla chegou a ser conhecida na época como "A Nova Maravilha Sertaneja", com o modo de interpretar, a instrumentação, o repertório e o visual bastante original e inovador, sem no entanto ferir o velho estilo caipira raiz. 
 No início da década de 1980, antes mesmo de gravar o primeiro disco, a dupla já havia conquistado um enorme sucesso, de modo que havia feito um contrato com o Governo do Estado de São Paulo (até 1982), pelo qual percorreram o Interior Paulista em caravanas diversas, nas quais eram bastante aplaudidos. Em Novo Horizonte,SP, por exemplo, a tourneé se prolongou por quase uma semana! 
 Após 1989, porém, pouco se sabe sobre essa dupla tão harmoniosa e original e de tão pouca duração, mas que também ajudou a escrever mais uma página na longa  História da Música Caipira. Carlos César faleceu no ano de 2002. São desconhecidos até então os rumos tomados pelo Cristiano após o período de atividade da excelente dupla aqui homenageada. Mas em 2008 ele voltou com um excelente CD solo, com destaque para Carreiro Vai e Saudade Vem, em homenagem ao amigo, entre outras belas canções.

Como curiosidade, vale citar que Cristiano é irmão de Getulio (Andaraí), cantor sertanejo quase que desconhecido, mas que, pela história, tem uma importante marca: ele foi o último parceiro a cantar com Belmonte em show ao vivo. Segundo a família de Belmonte, ele pretendia formar dupla com Getúlio, ideía que o acidente na volta do show em Itápolis pôs um trágico  fim. Getulio também já faleceu. Ele formava a dupla Juracy e Marcito e trabalhava com o apresentador Raul Gil. 

 (Baseado em dados do Site A Boa Música, do meu amigo Ricardinho
e informações do sobrinho de Getulio e Cristiano)

 

Visual arrojado...

vozes vibrantes...

surge uma nova dupla.

Batalhando o começo...

através de vários shows.

Momento para relaxar...

e até tirar foto caseira.

Mas na hora do ensaio, toda seriedade.

Mostrando o trabalho na TV, com Marcelo Costa...

e no Clube do Bolinha.

E eles se transformam...

nos Cowboys Andarilhos.

A mídia abre todo espaço...

para Carlos César e Cristiano.

Dai foi só manter o sucesso...

soltando a garganta em shows pelo Brasil...

e também na TV.

Ao visual e às vozes bonitas...

juntavam-se sucessos e mais sucessos...

até que, sem ninguém esperar, muito menos
Cristiano, o adeus de Carlos César em 2002.

Revival após morte de Carlos César, da apresentação da dupla no Viola em 1992
Carlos César e Cristiano Moça do Carro de Boi e Vai e Vem do Carreiro.
Programa Inezita Barroso Viola, minha Viola  Cultura postado por Wilson148148.
Presenças da filha e esposa de Carlos César, Pedro Bento e Zé da Estrada e Mococa e Paraíso.






 
 
ESPECIAIS
GRANDES MATÉRIAS
MUNDO SERTANEJO
NOSSOS HERÓIS
OS REVOLUCIONÁRIOS
ARTIGOS E CRÔNICAS
CLIPES E MÚSICAS
CONTOS
HOME PAGE
 Sergio Ferraz - Todos os direitos reservados