Duduca e Dalvan
Os Leões da Música Sertaneja

Letra de Rastros na Areia e clipe abaixo
xx

 
 
 
 

 José Trindade, o Duduca, nasceu em Anápolis, Goiás, no dia 04 de julho de 1936 e desde menino se revelou interessado pela música. Com apenas 15 anos de idade já compôs Saudade do Meu Bem, que em 1962 acabou gravando pela Continental em disco 78RPM.
A primeira gravação não obteve grande sucesso, mas alavancou Duduca como compositor, sendo a partir daí procurado por outros intérpretes e acumulando com isso grande número de obras gravadas.
 Com 18 anos José Trindade veio, como outros artistas que não nasceram em berço de ouro, tentar a sorte na cidade grande. Trabalhou por mais de 15 anos como pintor de paredes, mas sempre se dedicando à música nas horas vagas.
 Em 1975 começou a fazer roteiros e trilhas sonoras para cinema e foi dessa maneira que conheceu José Gomes de Almeida, o Dalvan. Isso foi no ano de 1977, quando os dois atuaram juntos no filme Entre o Céu e o Inferno de Camanducaia.
Eles se tornaram amigos e, como não podia deixar de ser, nos intervalos das gravações, pegavam os violões e cantavam para passar o tempo. E logo eles e os que os ouviam perceberam que as vozes se harmonizavam perfeitamente, surgindo daí a dupla, que no início teve o apoio de Lourival Santos.
 Dalvan nasceu na cidade de Planaltina, Paraná, no dia 09 de outubro de 1951, e foi criado em Paranavai. Como Duduca, desde cedo ele demonstrou seu dom para a música, tendo sido vocalista de conjunto, baterista, guitarrista, além de dominar perfeitamente o violão, órgão, piano e acordeão. Dalvan era um virtuose instrumental.
 Sua primeira composição foi feita aos 20 anos de idade e o título era Batucada de Malandro. Ficou engavetada, pois Dalvan logo prestou o serviço militar em Brasília e depois ingressou na Polícia Militar, onde ficou apenas três anos, pois o seu negócio não era prender bandido, e sim,  prender corações através das suas canções. A PM perdeu um bom soldado e o mundo sertanejo ganhou a dupla Duduca e Dalvan.
 Começaram a fazer tournês ainda em 1977, e conquistando aos poucos seu grande público. Em 1978 gravaram seu primeiro LP, já conseguindo os primeiros lugares das paradas musicais com a música Pirâmide do Amor.
 Em abril de 1979, em novo LP, estourava a Quem Sou Eu e, já em janeiro de 1980, a consagração definitiva com Mulher Maravilha.
 Ainda em 1980,  a dupla  gravaria em setembro seu quarto LP, conquistando de vez seu lugar entre as grandes duplas sertanejas da época.
 Mas, infelizmente, após terem feito sucessos de raízes rurais e românticas - e quando estavam em ótima fase - aconteceu a inesperada morte de Duduca em 17 de fevereiro de 1986. A dupla, que teve início em 1977, terminou tristemente em 1986, apenas 9 anos depois. 
 Dalvan, então, após um tempo afastado, entristecido pela morte do parceiro, reciclou sua carreira, que agora seria solo: deixou crescer ainda mais os cabelos, substituiu a linguagem rural por um rock de subúrbio, com romantismo brega, e a partir do próprio disco que chamou de "Novo Rumo" buscou ainda mais o lado romântico. 
 Deu certo. De cara foi contemplado com um duplo de platina, pela vendagem de 500 mil cópias em 1987. Em 1988, catapultou novos êxitos como "Haja Coração", "Gosto de Pecado" e "Mal de Amor". Em 1989 foi a vez de "Desencontros". 
 Em 1990, adotou o estilo de espetáculos de grande produção, com som, luzes e enorme aparelhagem de som. Seu novo disco refletiu essa fase megalomaníaca: o repertório (montado com composições de autores como Ed Wilson, Chico Roque, Moacyr Franco e outros), e até uma versão de "O Sole Mio" (ao estilo de Elvis Presley) teve arranjos de quatro maestros - Daniel Salinas, Martinez, Waldomiro Lenk e José Paulo Soares. 
 E após tudo isso, Dalvan entra também, como vários outros artistas de sua época, no ciclo religioso, cantando hinos e chegando inclusive a fazer uma apresentação ao vivo no programa do missionário R.R. Soares, na tevê Bandeirantes. 
 Mas Dalvan ainda tinha o coração nas músicas da sua fase de ouro junto com o parceiro Duduca, e assim, após muitos anos, resolveu voltar às suas raízes, formando dupla com Almir Sales, outro paranaense nascido na cidade de Londrina. Almir Sales tem 46 anos, é dono de uma voz invejável, pois, em sua trajetória na música sertaneja, cantou em barzinhos e foi locutor de radio AM e FM. A música sempre foi o seu forte. Essa nova formação da dupla é um presente para o Brasil e a música sertaneja, que ganhará com certeza, tratando-se de uma das bandeiras da música popular do Brasil, voltando ao cenário da música brasileira. 
 Dalvan entrou em acordo com Almir Sales e assim, numa justa homenagem ao parceiro que se foi, Almir se tornou o novo Duduca, dando sequência a bem sucedida carreira da primeira dupla. Dalvan, romântico pôr excelência, disse que esse novo trabalho marca uma nova fase na sua vida.
 

Biografia Chantecler-1981- Colaboração: Neubes Luciano
Rastros na areia
Gravação original de Duduca e Dalvan - Ouvir música abaixo
Baseado no poema de Margaret Fishback Powers

O sonho que tive esta noite
Foi um exemplo de amor
Sonhei que na praia deserta 
Eu caminhava com Nosso Senhor

Ao longo da praia deserta
Quis o Senhor me mostrar
Cenas por mim esquecidas
De tudo que fiz nesta vida
Ele me fez recordar

Cenas das horas felizes 
Que a mesa era farta na hora da ceia
Por onde eu havia passado 
Ficaram dois pares de rastros na areia 
Então o Senhor me falou
Em seus belos momentos passados 
Para guiar os seus passos 
Eu caminhava ao seu lado

Porém minha falta de fé 
Tinha que aparecer
Quando passavam as cenas 
Das horas mais tristes de todo meu ser

Então ao Senhor reclamei
Somente meu rastro ficou
Quando eu mais precisava
Quando eu sofri e chorava 
O Senhor me abandonou

Naquele instante sagrado
Que Ele abraçou-me dizendo assim
Usei a coroa de espinhos 
Morri numa cruz e duvidas de Mim 
Filho esses rastros são Meus 
Ouça o que vou lhe dizer
Nas suas horas de angústia
Eu carregava você 



Fontes: Jornal O Estado do Paraná, http://letras.terra.com.br/duduca-e-dalvan/144954/ - Youtube


GRANDES MATÉRIAS
MUNDO SERTANEJO
NOSSOS HERÓIS
REVOLUCIONÁRIOS
ARTIGOS E CRÔNICAS
ESPECIAIS
HOME PAGE

 Sergio Ferraz - Todos os direitos reservados