Lampião - Parte 2

Fotos de Lampião
Lampião em versos

Ambição, Injustiça, Violência, Traição e Morte... 


  Lampião teve um processo tramitando na justiça de Pernambuco por quase 70 anos, onde ele e seu bando eram acusados da morte de 3 pessoas em 1925. O processo foi instaurado em 1928 e, mesmo após a morte do Rei do Cangaço, não foi julgado, extinto ou arquivado.   E o processo, por mais incrível que possa parecer, mostrando o quanto é complicado o labirinto do nosso Judiciário, continuou aberto no fórum de Flores, cidade próxima a Serra Talhada, onde nasceu Lampião. De acordo com o juiz da cidade, na época, não foram apresentados os atestados de óbito dos réus, como exige a lei. (Isso é que é seguir um manual! - NE).
 Somente em 1997, 69 anos após a abertura do processo, o juiz Clóvis Mendes, de Serra Talhada, julgou a prescrição da ação  com base no fim do prazo legal de 20 anos...Então, finalmente, o processo contra Lampião e seu bando foi arquivado! Se estive vivo, o capitão Virgulino certamente diria: " A justiça (dos homens) tarda...e falha!"

  Lampião e Maria Bonita tiveram uma filha, Expedita, que lhes deu 3 netos: Cleyse Mary, Djair e Vera Lucia, a jornalista que já há anos vem lutando para preservar a memória dos avós e corrigir algumas injustiças feitas aos dois, diante de tantas lendas surgidas sobre os dois, sobrepujando os fatos. Os dados e fotos dos netos (ainda crianças), constam do livro Lampião, Rei do Cangaço, de Eduardo Barbosa, de onde foram extraidas algumas das fotos mostradas aqui.

  Lampião teve três irmãos ao lado dele no cangaço: Antonio, Livino e Ezequiel, de apelido Pente Fino. Todos os três morreram antes de Lampião, em combate com as volantes.

 O primeiro a rotular Maria Bonita como a Rainha do Cangaço, foi o cangaceiro e cantador Zabelê, do bando de Lampião, claro. Zabelê sobreviveu à emboscada  de Angicos (veja abaixo porque) e ainda escreveu um livro sobre Lampião.

  Como escrevi acima, as lendas sobrepujaram até o próprio Rei do Cangaço. Verdade ou não, elas ficaram, recheando a verdadeira história de Lampião com fatos engraçados e muitas versam também sobre o lado justiceiro de Lampião. Além da história da cabra da velhinha, na página anterior, tem também a do sal, que é meio semelhante: Lampião e seu bando foram acolhidos por uma senhora, também de idade avançada, e ele pediu a ela para preparar um jantar para o bando. A velhinha, não tendo quase nada em casa, teve que fazer um caldeirão de sopa às pressas para os famintos cangaçeiros. Com a pressa e o medo, ela acabou esquecendo de colocar sal na sopa...
 A sopa foi servida e todos começaram a sorvê-la, sem problemas, mas um dos cabras, novato no bando, para talvez fazer bonito diante de Lampião ou por idiotice mesmo, começou a gritar com a pobre velha sobre a falta de sal. Lampião terminou sua sopa sem nada dizer. Depois, tranquilamente, perguntou ao bando se alguém sentiu falta de sal. Exceto o tal reclamante, o restante, que não era besta, disse que não, que a sopa estava ótima!   Então Lampião perguntou à velhinha se tinha mais sal em casa. Ela disse que sim e ele então mandou ela trazer um quilo! Ela correu a obedecer. Quando veio com o sal, Lampião mandou ela despejá-lo no prato do sujeito que havia reclamado, e ordenou: - Você reclamou da falta de sal, cabra, pois agora tem aí bastante sal, e você vai comê-lo até limpar o prato!
  Apesar dos lamentos do homem, Lampião o obrigou a comer todo o sal do prato e, quando ele pedia água, Lampião não deixava que ele bebesse. E assim foi. Quando o cangaçeiro, até verde de tanto comer sal, sentindo suas entranhas em brasa, terminou, Lampião o expulsou, mandando que o mesmo sumisse de sua frente, ameaçando que, se o encontrasse novamente, iria sangrá-lo. É claro que o tal sumiu até hoje...Saindo da casa, já um pouco distante, Lampião parou, olhou para trás, coçou a cabeça e comentou com um cangaçeiro próximo a ele: - E num é que aquela sopa tava uma disgraçeira de insôssa? - E o cabra ao seu lado, concordou imediatamente: - Tumém achei, capitão. Tumém achei...

  Já do apelido Lampião, tem a lenda narrada na página anterior e uma outra que é sobre uma noite em que Virgulino (que ainda não era Lampião) e seu bando estavam numa bodega (tipo de hospedaria à beira da estrada), e um dos homens deixou cair o cigarro. O vento havia apagado o candieiro, então Virgulino falou que ia disparar seu fuzil para fazer um clarão, até o sujeito achar o cigarro. E a cada tiro que dava, ele gritava: acende, lampião! Acende, lampião! E assim surgiu o famoso e temido apelido.

  Os grandes chefes de cangaceiros, antes de Virgulino entrar no cangaço, eram: Antonio Quelé, Casemiro Honório, Né Pereira e Antonio Silvino, foi nos bandos destes últimos que Virgulino iniciou-se na senda de crimes.

  Abraão Benjamim, judeu ou árabe naturalizado brasileiro, o autor Eduardo Barbosa não especifica e ainda em seu livro chama Benjamim pelo apelido de Turcão, o que torna mais difícil saber sua descendência. Ele foi o primeiro e último homem a filmar Lampião. Ele acompanhou os cangaceiros durante 6 meses, nos acampamentos e nas batalhas com as volantes, e são da autoria dele o filme real sobre Lampião e centenas de fotos do cangaçeiro, de Maria Bonita e do bando. Benjamim foi assassinado logo após esse trabalho de grande valor jornalístico, com 52 facadas em Vila Bela, por desafetos de Lampião.

  Zabelê, sanfoneiro e repentista oficial do bando, disse em depoimento que foi o próprio Lampião quem fez a letra e música de Mulher Rendeira.

  Lampião reinou absoluto no cangaço nordestino por 20 anos. E mesmo antes de ser enganado pelas autoridades, recebendo a patente de capitão e a garantia de anistia para ele e todo o bando, para enfrentar a Coluna Prestes, fato que foi testemunhado pelo seu próprio padrinho o Padre Cícero Romão, outra lenda do Nordeste, sempre manteve um status quo de comandante de um exército. Seu bando, composto por mais de 100 homens, tinha um tipo de “estado-maior”, formado pelos homens de mais confiança. Então, normalmente, para confundir as volantes, Lampião dividia o bando em 3 grupos, sendo um liderado por ele próprio e os outros 2, pelos seus “lugares-tenentes”. Foi por causa dessa estratégia que alguns do bando escaparam à emboscada em Angicos, como Zabelê e Corisco, chamado também de Diabo Loiro, que segundo autores de relatos sobre o cangaço, foi quem vingou a morte de Lampião. Corisco foi morto pelas volantes 2 anos depois.
  Mas, assim como Napoleão, que errou na estratégia da guerra por não contar com os elementos da natureza e Hitler, que sacrificou boa parte de seus homens por não contar em sua estratégia de dominação com as geladas estepes russas, Lampião também, apesar de usar estratégias de guerrilha, errou ao armar acampamento numa ravina e sem colocar sentinelas. Esse foi seu grande erro em Angicos.
  Também, ao que parece uma sina de todo grande guerreiro, o fator traição pesou mais que tudo. Zumbi foi traido e morto; Tiradentes foi traido e morto; Beckman foi traido e morto; Zapata, herói mexicano, foi traido e morto; o rei Leônidas, de Esparta, foi traido e morto; Jesse James, traido e morto; e Lampião, como que fechando a sina, em 1938, é traido e morto.

  Nos registros sobre os pertences de Lampião, feitos pela polícia militar de Alagoas, consta a famigerada pistola Parabellum, alemã, 9mm, fabricada em 1918, número de série 97. 

  Segundo a grande mídia brasileira, através de um exame de DNA realizado nos EUA, foi descoberto em 1994 o segundo filho de Lampião e Maria Bonita. Trata-se de João Ferreira da Silva, conhecido por João Peitudo, 62 anos, que morreu de morte natural no dia 26 de junho de 2000,  em Juazeiro do Norte, a 563 quilômetros de Fortaleza. 
 O filho de Lampião deixou cinco filhos, mas apenas um (Francisco Ferreira da Silva), morava com ele no bairro Pirajá, em Juazeiro. Os outros quatro residem em São Paulo. 
Nascido em 1938, segundo a mídia, João Peitudo foi deixado com 42 dias de vida na casa de dona Aurora da Conceição, em Juazeiro, durante a passagem do bando de Lampião pela região do Cariri. Lampião furou as orelhas do filho com um punhal com o objetivo de deixar uma marca para reconhecê-lo quando voltasse para pegar. Nunca retornou. João Peitudo era funcionário aposentado da Prefeitura de Juazeiro. Com a morte de João Peitudo, a única herdeira viva de Lampião é Expedita Ferreira Nunes, filha do casal de cangaceiros, e que mora em Sergipe. 

NE - Sobre o pressuposto segundo filho do famoso casal de cangaceiros, ficaram as perguntas que a mídia não fez: quando João tomou conhecimento do fato? E, sendo filho de tão famosos pais, por quê demorou tanto a fazer o exame e, por último, por quê o exame de DNA foi feito nos EUA e não no Brasil?
  Em 2002 ou 2003, mais ou menos, tive contato com a jornalista Vera Ferreira, neta de Lampião e no final do mesmo ano, se não me falha a memória, conversei por telefone com dona Expedita, a filha do lendário casal e mãe de Vera...Em nenhum dos nossos contatos foram citadas nem uma única vez as histórias que giram sobre Lampíão e Maria Bonita. Nem a de um segundo filho, nem muitos outros fatos gerados depois da morte deles e muito menos que o casal e seu bando foram mortos em Minas Gerais, como está circulando atualmente pela Internet...E vejam abaixo a grande obra biográfica feita sobre eles, sendo duas delas de autores que conviveram com Lampião ou atrás dele, como o major da Volante Optato Gueirós.
  E concluindo estas observações, o bando de Lampião jamais se encontrou com a chamada Coluna Prestes, o que se acontecesse, seria uma carnificina, pois o político comunista Luiz Carlos Prestes rodou a  pé boa parte do país com um punhando de seguidores, o que ficou conhecido como "marcha Prestes". Ninguém sabe até hoje qual era o propósito dessa marcha pelos estados brasileiros. Mas todos têm ceteza, creio eu, que se Lampião e seu bando enfrentassem tal coluna, seria um banho de sangue e nem Prestes escaparia, pois a coluna era composta de civís que rezavam a cartilha comunista, mas não tinham treinamento de luta e já os homens de Lampião tinham a experiência de anos de lutas contra os soldados das Volantes.  
 

* Mais trabalhos biográficos sobre Lampião e Maria Bonita:
Lampião, Rei do Cangaço, de Eduardo Barbosa
Almas de Lama e Aço, de Gustavo Barroso
Bandoleiros das Caatingas, de Melchíades da Rocha
Lampião em Mossoró, de Raimundo Nonato
Na Terra de Lampião, de Alexandre Zabelê – O sanfoneiro, testemunha viva da história de Lampião.
Lampião, de Ranulfo Prata
Heróis e Bandidos, de Gustavo Barroso
Lampião, de Optato Gueirós – Major da polícia pernambucana e ex-comandante das Volantes – Também testemunha viva. 

 

GRANDES MATÉRIAS
MUNDO SERTANEJO
NOSSOS HERÓIS
REVOLUCIONÁRIOS
ARTIGOS E CRÔNICAS
ESPECIAIS
HOME PAGE
 
 
 
 

 

Sergio Ferraz - Direitos reservados